Victoria Beckham ganha um documentário para chamar de seu

Ex-Spice Girl, esposa do jogador de futebol mais hype do mundo, mãe. Essa seria a descrição de Victoria Beckham caso a posh Spice não tivesse insistido em uma carreira na moda. Lembro que no começo, quando lançou uma linha que levava seu nome, a história foi tida como a de muitas celebridades que se envolviam em projetos fashion, mas não entravam no universo de cabeça.

Aos poucos a linha foi crescendo, passou a ser apresentada em Nova York e ser bem criticada. Victoria conseguiu ser levada a sério no segmento e se posicionar num nível bacana. Claro, não pode ser comparada com grandes estilistas ou marcas renomadas. Mas o avanço foi significativo nos últimos anos. Prova disso é que muitos dos produtos lançados viram hit.

Agora Vic ganha um documentário, “Five Years- Victoria Beckham”. Em parceria com o Skype, mostrará seu processo de criação, desde a inspiração, até as reuniões e o momento de levar isso ao público. Mostrar como se envolve na criação e não apenas assina a coleção e dá uma entradinha na passarela.

Victoria não é o que dá pra se chamar de uma pessoa animada. Mas no documentário se revela muito mais descontraída do que costumamos ver e do que em sua famosa declaração que disse ter tido o sorriso tirado pela moda.

Semana passada foram liberados alguns teasers pelo Skype, que já deixaram o pessoal da moda sedento por mais. Confira a prévia mais recente:

Anúncios

Crianças com estilo – by Douglas Petry

Talvez porque eu esteja em plena produção de um editorial infantil, ou porque estou tendo que cuidar muito do meu irmão de sete anos, mas estou interessado em moda infantil, o que me fez refletir um pouco sobre as roupas que eles usam, o estilo pessoal, e buscar imagens de referências pela internet.

Sempre achei essa história de vestir crianças e pré-adolescentes como mini-adultos ridícula. Acho que essa é uma das únicas épocas em que se pode usar um visual mais diferente, lúdico e criativo, então, não tem por que ficar apenas no comum. Lembro que, com uns 10 anos, bati de frente com a minha mãe porque não queria usar uma calça que ela tinha escolhido pra mim.

Acho que essa foi a primeira expressão de estilo que eu tive. E como a minha mãe sempre respeitou muito isso, desde então, eu vestia as roupas que queria, inclusive, na hora da compra, era respeitado meu gosto. É claro que na época eu não sabia nada de moda e me deixava levar por opiniões alheias daqueles que “entendiam” mais que eu. “Preto é a moda”, alguns colegas diziam enquanto eu exibia orgulhoso um moletom amarelo da Banana Republic (lembram?).

Esse post é para falar sobre os filhos do casal que a gente mais ama no mundo da moda: Victoria e David Beckham. Brooklin, Romeo e Harper esbanjam estilo nos passeios que fazem com os pais e são flagrados. Semana passada, Brooklin apareceu com uma tattoo igual a do pai, no pescoço.

Os meninos seguem um padrão: calça skinny, camiseta larga e tênis do tipo botinha, com a calça por dentro. Já harper, fica fofissíma nos vestido superdivertidos e com cara de menina que usa.

Esse é o grande lance de ser criança. Respeitar aquilo que se quer usar, permitindo que, aos poucos, ela forme seu estilo pessoal. Assim como somos educados para seguir uma profissão, por que não termos o mesmo referente às roupas?

Beijos,

Douglas

Quanto vale uma Birkin? – by Gabriela de OIiveira

Há alguns dias li em um site que o estilista Marc Jacobs idealizou para a grife Louis Vuitton um sistema que permite a criação do próprio modelo de bolsa, na loja da marca. O detalhe é o tempo de espera, que chegará a seis meses.

Me questionei: seis meses de espera por uma bolsa? Que absurdo! Mas na sequencia lembrei quantos produtos têm filas de espera que chegam a levar mais tempo do que isso. Desde simples esmaltes da Chanel (que até conseguir acesso ao original, todas as marcas populares já lançaram uma versão e a ideia já está saturada), até as icônicas bolsas Birkin, da Hermès.

Estive uns dias em Nova York e no voo de volta pro Brasil li no site da Forbes um artigo interessante sobre a Birkin que bateu exatamente com o que eu penso. Ela é uma bolsa que, pelo status, valor e tempo de espera, deveria ser super exclusiva. Tanto que celebridades desfilam com orgulho seus modelos por ai (Victoria Beckham tem uma coleção com mais de 100, Kim Kardashian está quase empatando). Mas ao mesmo tempo, se várias mulheres que são consideradas reles mortais, também exibem as suas.

O título da matéria era “Has The Hermes Birkin Bag Lost Its Appeal?”, e questionava se, com toda essa popularização, o modelo inspirado na modelo Jane Birkin, correria o risco de perder o apelo devido à popularização. Para o autor, elas estão tão comuns quanto uma bolsa da Coach nos Estados Unidos, estão em todas as partes, de todas as formas, das mais simples às mais elaboradas, até cravejadas de cristais.

Em Hong Kong, a loja Milan Station diz ter um acervo maior de Birkins que a Hermès tem, que são vendidas até pelo dobro do preço de uma adquirida direto na loja oficial. O que ocorre é que as clientes compram direto na própria marca e revendem para eles. Como o modelo é escasso, elas ganham um bom valor na diferença. Bom negócio, não?

Para driblar a popularização (e se diferenciar das várias versões produzidas ao redor do mundo por outras marcas), a Hermès atende a pedidos de clientes que desejam materiais diferentes, sendo que nesses casos a bolsa pode chegar aos U$S 100 mil (olha o modelo de outro e diamantes da foto. Quer coisa mais excêntrica?).

É claro que o valor cobrado e a espera têm justificativa. O processo é feito na França, ao contrário de outras grifes, que produzem na China, por artesãos que passam por treinamentos de anos antes de colocar as mãos no valioso couro da marca, numa produção que pode levar de 48 horas a duas semanas para ser finalizado. Na matéria é destacado que, mesmo sem uma marca visível (ao contrário das Louis Vuitton e afins), a bolsa é desejo, e muito se deve ao processo de fabricação.

Isso sim é uma it bag, não?

Beijos,

Gabi

A barriga de Victoria

Victoria Beckham se negou a mostrar a barriga em fotos para as revistas por aí. Certa ela. Uma das poucas celebs hoje em dia que se preocupa em preservar a gravidez.

Mas o maridão David Beckham cortou a onda da posh spice. Ele tirou uma foto sem ela ver e, todo empolgado, postou no Facebook. Como a foto tá linda e ser meio que um fenômeno fashion, porque em breve vem mais uma mini-fashionista por aí, resolvi dividir esses momentos meus com vocês, resolvemos mostrar.

A fofa já vai nascer com tudo. A mãe é a Vic Beck, o pai, um dos homens mais vaidosos do mundo e a madrinha não vai ser ninguém mais, ninguém menos, do que Eva Longoria.

Poderosa antes mesmo de nascer, né?

Abraços,

Douglas Petry

Dona de casa com glamour

Ex-Spice Girl encarna dona de casa em páginas da revista Glamour.

Quem vê Victória Beckham andando para cima e para baixo com suas roupas grifadas e sapatos Louboutin, se impressiona com as fotos da Posh Spice na revista Glamour desse mês.

Para a publicação, Victória encarnou uma dona de casa e aparece até esfregando o chão.

Além das fotos diferentes (para o estilo dela), Victória também deu declarações bastante sinceras.
Segundo ela, não tem problema nenhum outras mulheres se sentirem atraídas por seu marido, o jogador David Beckham, pois ela também o acha atraente. E ainda diz que tem muita sorte em te-lo como marido, pois o acha muito bonito e bom pai.

Sobre o mundo da fama, a Sra. Beckham diz que nunca encarou tudo com naturalidade. Segundo ela, ainda fica nervosa perto de celebridades, assim como ficou quando dividiu um avião com George Clooney e completa dizendo que está vivendo uma vida extraordinária e nunca vai fingir que acha tudo normal.

TEXTO: Douglas Petry

FOTOS: Reprodução

Site It, sempre muita novidade!