Florence Welch veste Carlos Miele em seus shows – by Camila Brasil

Que Carlos Miele é um dos estilistas brasileiros mais conhecidos no mundo, ninguém tem dúvida. Ele desfila suas coleções há anos em Nova York, já apareceu no seriado Gossip Gil, queridinho dos fashionistas, e veste várias celebs famosas.

Quando fez shows no Brasil, no começo do ano, a cantora Florence Welch conheceu o trabalho de Miele, vestiu peças dele em seus shows no Rio de Janeiro e Florianópolis e se apaixonou. Ela gostou tanto, que comprou 12 peças assinadas pelo estilista para usar em suas apresentações na sua turnê atual.

Os vestidos e caftãs são do estilo que ela gosta, esvoaçantes e com mangas largas, que dão um efeito extra quando ergue os braços, artifício que ela adora fazer no palco. Florence se tornou ícone da moda, com seu estilo autêntico, inspirado em peças vintage. Vale lembrar que ela conquistou Karl Largerfeld, tocando até no desfile da coleção de verão 2012 da Chanel, saindo de uma concha, cantanto “What the water gave me”.

Segundo a própria Florence, o estilo do trabalho de Miele é semelhante ao dela, românticos e com cara retrô, por isso as peças assinadas por ele funcionam em seu figurino. Miele já tem sua marca registrada, usando várias camadas de tecidos leves e esvoaçantes nos vestidos que são superestampados e coloridos.

Espero que esse seja apenas o começo do reconhecimento dos estilistas brasileiros por parte de artistas internacionais, que geralmente só vestem designs de alta-costura por aí.

Beijos!!!

Camila

Anúncios

Sapatos e colares em curso #aprendamoda

Com o objetivo de oferecer atividades diferenciadas e de curta duração na área da Moda, a Univates oferece os cursos de extensão “Calçado também é moda” e “Maxicolares e golas-colares”, programados para os meses de agosto e setembro. A primeira atividade busca promover o design de calçados, por meio do processo de desenvolvimento de coleção, passando pela criação até o produto final.

O curso ocorre nos dias 20, 21 e 22 de agosto, das 19h10min às 22h30min. Calçados, função, composição, estilos de calçados, fôrmas, materiais, pesquisa, inspiração e etapas de fabricação serão alguns dos conteúdos abordados. A atividade será ministrada pela designer de calçados Daniela Petter. O investimento será de R$ 144,00 à vista. Alunos da Univates recebem 10% de desconto.

Já o curso sobre colares busca ensinar possibilidades e técnicas para confecção desses acessórios, trazendo opções para os alunos desenvolverem seus próprios modelos, utilizando a criatividade. Serão realizadas atividades práticas e manuais para confecção de modelos, que serão expostos em eventos da Univates. A atividade será ministrada pela designer Bibiana Silveira Horn e ocorrerá nos dias 12, 17 e 18 de setembro, das 19h10min às 22h30min. O investimento é de R$ 144,00 à vista. Alunos da Univates recebem 10% de desconto.

Inscrições podem ser efetuadas, até o dia 15 de agosto para o curso de calçados e até o dia 6 de setembro para o curso de colares, na Secretaria de Extensão e Pós-Graduação, sala 110 do Prédio 1, ou pelo site www.univates.br/cursosdeextensao. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3714-7011 ou pelo e-mail propex@univates.br.

MDF ou MDP? by Dênis Conte

Os objetos fabricados com painéis de MDF e MDP estão cada vez mais populares e são muito utilizados pelo setor moveleiro e da construção civil, eles entraram no mercado mobiliário para substituir os aglomerados de baixa qualidade e as madeiras maciças.

A diferença entre MDP e MDF está nos detalhes, quem pensa em economizar, deve optar pelo MDP, já quem preza beleza e durabilidade, encontra no MDF a melhor solução.  MDF e MDP têm suas particularidades, enquanto o MDF é constituído de fibras aglutinadas de madeira, o MDP é feito com partículas pequenas de madeira nas extremidades e delgadas no meio da chapa. Dessa forma, o MDP utiliza menos matéria-prima para a produção, o que o torna um produto mais barato, em termos de valores, o MDF pode custar 30% a mais que o MDP, porém é mais resistente. Mas não é apenas isso, possuem diferenças significativas na qualidade, durabilidade, aplicação e recomendações de uso entre os materiais.

MDF, a sigla significa Medium Density Fiberboard (chapa de fibra de madeira de média densidade). Esse material é o que mais se assemelha à madeira no que diz respeito às possibilidades de manuseio. Os painéis são superfícies grandes perfeitamente homogêneas e sem orientação de fibras, possibilitando que cortes sejam realizados em qualquer sentido. A sua superfície também é lisa e homogênea ao toque.

Comparado ao MDP, é mais fácil de manusear, pois possui propriedades mecânicas superiores, resistindo melhor à abrasão e à umidade. As camadas superficiais têm alta densidade, o que assegura um acabamento mais uniforme nos processos de impressão, pintura, usinagem e revestimentos. Essa versatilidade faz com que o MDF seja sempre o predileto nos projetos arquitetônicos e de design.

O MDF pode receber impressão a laser imitando diferentes tipos de madeira. Os móveis feitos com esse material podem ter ainda acabamentos feitos com painéis de tauari (madeira nativa direcionada para o setor moveleiro), laca, fórmica e vítreo (acabamento em verniz acrílico transparente, no qual o padrão ou cor é realçado por um efeito único de profundidade e transparência).

MDP é a abreviação para Medium Density Particleboard (painel de partículas de madeira de média densidade). É o material mais utilizado no mundo todo pelo setor moveleiro. Isso porque sua produção utiliza menos matéria-prima, o que resulta, de certa forma, em custo-benefício melhor, se comparado ao MDF.

Sua utilização é limitada à criação de móveis e portas com linhas retas, formas orgânicas e que não exijam usinagem em baixo-relevo, entalhes e cantos arredondados. Suas principais aplicações são para portas retas, laterais de móveis, prateleiras, divisórias, tampos retos, bases superiores e inferiores, frentes e laterais de gavetas.

A durabilidade de ambos é muito semelhante a da madeira natural, é preciso apenas protegê-los da umidade, pois a resistência à água é limitada. A limpeza dos painéis de madeira deve ser efetuada com pano limpo e macio, isento de impurezas, seco ou levemente umedecido com água e sabão neutro, bem torcido até que não saiam gotas de água. Não devem ser utilizados abrasivos como palha de aço e objetos cortantes. Para remoção de manchas, utilizar pano levemente umedecido com solução de álcool e água em partes iguais.

Beijos,

Dênis

Silva by Erika Ceglia

Quem diria que um dos sobrenomes mais comuns do país, produziria um dos sons que mais me agradou nos últimos tempos. Embora ser “da Silva” torne a pessoa mais uma no meio de muitos, este Silva se destaca.

Lúcio Silva, do Espirito Santo, é uma das promessas da MPB, com seu som leve e alegre, que lembra um pouco do tropicalismo(a voz dele se aproxima muito à de Caetano Veloso), misturada com referências estrangeiras (principalmente o folk) e misturas eletrônicas.

Segundo o próprio: – Minha música é uma ode à juventude, inocência, entusiasmo e, acima de tudo, independência.

A formação erudita de Silva (atualmente ele cursa o ensino superior de Violino) transforma o trabalho ainda mais rico e foi muito bem mostrado na gravação do EP com cinco faixas lançado em 2011, onde ele fez toda a instrumentação.

O clipe A Visita é simples e já bomba na internet. Ah, e sobre o disco oficial, dizem que vira em breve.

Brasil, o país do Silva!

Beijos!!!

Erika

Moda Mundo 21/07

Na coluna Moda Mundo desse fim de semana falei sobre as polêmicas dos uniformes da equipe olímpica dos Estados Unidos, a capa da Marie Claire da África do Sul, com a montagem da princesa Kate Middleton, mostrei os sapatos queridinhos do momento: o Louboutin Un Bout, e os figurinos justissímos da cantora Britney Spears, jurada do programa The X Factor.

Também tem a coluna Lajeado Street Style, produzida pela Katia Eckert, do blog LSS.

Beijos,

Douglas

O sambinha bom da Mallu Magalhães by Douglas Petry

Já foi falado aqui sobre o amadurecimento musical e de estilo da Mallu Magalhães. Em Velha e Louca ela mostrou isso pro país todo e sambou na cara de quem olhava pra ela com carinha de nojo por ela ser “só uma menina que tenta cantar”.

Com estilo mulher, a voz doce, composições fortes e um ritmo mais abrasileirado, Mallu mostra no seu disco Pitanga que cresceu e quer se inserir num mundo diferente de onde estava antes. E deu certo. Tanto que ela é a queridinha do momento dos fashionistas.

Também já falei por aqui umas duas vezes sobre o trabalho maravilhoso da estilista Helen Rödel, de quem sou fã convicto há muito tempo e se tornou outra queridinha do mundo da moda com seu desfile na Casa de Criadores (mas antes disso ela já aparecia, com colaborações e outras apresentações).

E no clipe Sambinha Bom, a Mallu versão mulher, encontrou com a Helen Rödel e fez um dos vídeos com melhor figurino produzido no Brasil nos últimos anos.

Samba remete ao tropical, o que é pouco mostrado na história. Nesse momento, a cantora está de malas prontas para o frio. E é lá, com lindas roupas de lã, produzidas por Helen, que Mallu realmente brilha. O resultado é excelente e casou uma série de bons figurinos, ritmo gostoso, boa letra e a “maioridade” da cantora.

Poesia pura!

Beijos,

Douglas

Oz The Great and Powerful by Camila Brasil

Queria evitar falar de mais um conto infantil que foi regravado para atingir o público adulto, porque já publiquei por aqui sobre Branca de Neve e o Caçador. Mas é impossível não falar de Oz The Great and Powerful, inspirado em O Mágico de Oz, que foi presente na infância de quase todo mundo que tem ou está beirando os 30 anos.

O filme tem a direção de Sam Raimi, e conta como um mágico de circo se tornou o senhor ta Terra de Oz. No elenco: o gato James Franco, e as lindas Rachel Weisz, Michelle Williams e Mila Kunis. A estreia é prevista para 8 de março de 2013 e será lançado nas versões 2D e 3D. O primeiro trailer já foi divulgado pela Disney, ó:

A história: quando Oscar Diggs, um inexpressivo mágico de circo de ética duvidosa é afastado da poeirenta Kansas e acaba na vibrante Terra de Oz, ele acha que tirou a sorte grande. Isso até que ele encontra três feiticeiras que não estão convencidas de que ele é o grande mágico que todos estão esperando. Relutantemente envolvido nos problemas épicos que a Terra de Oz e seus habitantes enfrentam, Oscar precisa descobrir quem é bom e quem é mau antes que seja tarde demais. Lançando mão de suas artes mágicas por meio da ilusão, ingenuidade e até de um pouco de magia, Oscar se transforma não apenas no grande e poderoso Mágico de Oz mas também em um homem melhor.

Como fã dos sapatinhos vermelhos de Dorothy, não vejo a hora desse filme estrear, afinal, ele conta como tudo começou. Amo a visão que os figurinistas dão para esses contos, porque geralmente os figurinos são super bem pensados e produzidas, com peças ricas e superproduzidas.

Ah, e não sei se os malucos por cinema (isso soa mal, num dia em que 12 pessoas morreram assistindo a estreia do Batman, né?), podem esperar uma super história. Pelo andar da carruagem do último lançamento de um filme do tipo da Disney (A Branca de Neve), o clima deve ser ameno, pra abranger da criancinha à vovó na hora de ir ao cinema.