A (des)organização das temporadas de moda by Douglas Petry

O país que é a quinta economia de moda do mundo opta por fazer duas semanas de moda oficiais por temporada, enquanto as quatro primeiras, oficializam apenas uma. A história fica mais irônica quando se leva em consideração que as coleções apresentadas são muito mais inspiradas no que foi mostrado no exterior, do que coisas realmente criadas por aqui.

A falta de uma moda própria, realmente pensada aqui e produzida levando em consideração o perfil dos brasileiros, ainda convive com a falta de organização. Enquanto os grandes países da moda apresentam suas coleções com um bom tempo de antecedência (no fim de um verão, eles já estão mostrando o próximo), no Brasil tudo é apresentado só um pouco antes das coleções irem para as lojas.

Quer dizer… Ir para as lojas é força de expressão. Porque raramente o que é apresentado na passarelas, chega até o consumidor. Ao serem questionados, especialistas explicam que nos desfiles só são mostradas algumas ideias, que é de lá que sairão as cores, tecidos e algumas formas do que será vendido.

Puxei todo esse papo para falar sobre a novidade, divulgada ontem, pela Luminosidade, organizadora do Fashion Rio e do São Paulo Fashion Week. Quer ironia maior do que uma semana de moda ter apenas três dias? Falta de bom senso, talvez, mas isso ocorrerá por aqui. Como Paulo Borges decidiu que os eventos seriam bruscamente adiantados, para tentar se enquadrar no esquema do exterior (o que é uma coisa positiva), várias grifes caíram fora, alegando não conseguir se organizar para apresentar uma coleção em tão pouco tempo (sendo que o verão foi apresentado em junho).

Com isso, as semanas de moda nacionais foram reduzidas a três dias, devido a falta de grifes para desfilar. SPFW ocorrerá de 29 a 31 de outubro, e o FR, de 7 a 9 de novembro. Chegou-se a se falar num cancelamento da temporada de inverno no Rio de Janeiro, mas isso foi vetado pela indústria.

Ah, sabe o que mais tem em meio a esse rolo todo? O SPFW foi despejado do prédio da Bienal, que durante o período abrigará a Bienal de Artes deste ano. Daí, a organização está decidindo entre o Jockey Clube de SP, ou o MuBE, ou o Parque Villa Lobos. Nesse meio de tantos “ou”, percebe-se que a indústria brasileira tem muita sorte e consumidores ávidos por consumir. Ou não!

É pra pensar!

Beijos,

Douglas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s