Desejo fashion: franjas

Não, não é novidade que as franjas estão na moda. Há algumas temporadas elas estão aí pra provar que tanto os anos 20, quanto os anos 70 ganham cada vez mais força.

Falando em décadas de 20 e 70, você sabe a diferença entre as franjas de cada uma? É fácil. A dos anos 20 e mais elegante, trabalhada com efeitos mais finos, elegantes. Já a outra, é mais despojada, em materiais diferentes, como o couro e os tecidos aveludados.

E na hora de compôr o look, qual escolher? Daí depende da aparência que você quer ter.

Com as franjas inspiradas na década de 20, o resultado do look fica mais elegante. Uma das ideias que é cada vez mais usada é quando o vestido todo é franjado, bem típico da época. Já as setentistas, que costumam ser mais grossas, deixam a aparência mais despojada, é são ideais para jogar em um colete, usado com sua t-shirt e calça jeans. Que tal?

Não tem muito segredo no uso da franja. Principalmente porque ela alonga. Agora, só não vai fazer uma mistura, né? Um tipo de franja e uma peça de cada vez, senão fica over.

Ah, também vale jogar nos sapatos, seja estilo mocassim, ou no saltão.

Beijos e abraços,

Douglas e Gabriela

Anúncios

Uma doçura só

Uma das tendências mais tímidas desse inverno, mas que conquista algumas adeptas, é a das candy colors (ou cores doces, como preferir). É óbvio que esses tons suaves, românticos e fofos não têm tanto a cara do inverno quanto os terrosos, avermelhados, arroxados e todos esses ados.

Mas eles servem como uma boa composição para looks desse tipo. Um dos desfiles mais criticados do SPFW desse inverno foi o do Jeferson Kulig. Por que? Porque o rapaz resolveu apostar nas candy colors, mas esqueceu que era inverno e jogou com tons claros, como o branco, e em tecidos levissímos. O resultado foi lindo, mas nada muito invernal.

Um jeito legal de usar esses tons docinhos é em peças mais pesadas e tecidos encorpados. Por que? Porque assim o resultado não será tão veranil/primaveril. Funciona assim: como a cor é ‘leve’, ela precisa de um elemento complementar que a deixe mais carregada.

Por isso os tecidos pesados, vestidos estruturados, casacos de tweed ou blazeres encorpados. Também dá pra ressaltar o trabalho da Huis Clos do verde-menta em veludo. Ah, e vale ressaltar que nessa época eles devem ser usados com tons terrosos, mais escuros, ou, no máximo, contrastando com os neon.

Uma opção bacana, que dá uma cara mais leve, é apostar em várias candy colors na mesma peça, em forma de estampas. É o caso do vestido com listras Missoni que usamos na montagem ali de cima.

Enfim, as candy colors são para aqueles dias românticos, em que tudo parece lindo e que estamos caminhando em cima de uma nuvem. E pra deixar qualquer dia mais doce, vale ouvir um pouco de Lenka, nossa cantora favorita para esses momentos.

Beijos e abraços,

Douglas e Gabriela

Desejo fashion: acessórios metalizados

Os metalizados estão com tudo nesta temporada outono/inverno. Não resta dúvidas disso. Basta dar uma olhada no que rolou nos desfiles e no que está chegando às lojas, que qualquer leigo pode comprovar.

Mas e na hora de usá-los na nossa vida real? Sim, porque na passarela é uma coisa linda, agora quando provamos/vestimos e tentamos sair na rua, a coisa, muitas vezes, muda de figura.

Uma boa maneira de usar o metal na vida real é jogando nos acessórios.

Com o metalizado nos acessórios, ele não precisa se limitar à noite (ou vai dizer que assim que se falou em usar metal, você não pensou na noite?). Dessa maneira, ele passeia fácil, fácil no nosso dia a dia, seja no passeio ou no ambiente de trabalho.

Experimenta usar um tênis ou uma sapatilha metalizados com uma calça jeans ou um vestidinho mais casual pra ver o efeito bacana que dá. Ou joga uma bolsa, sacola ou mochila dourada ou prata com o look mais arrumadinho, feito na medida para o escritório. O efeito é o máximo.

Essa é uma dica boa também para quem está querendo começar a ousar e não tem coragem de se jogar num vestida, calça ou jaqueta com o efeito. Vai aos poucos, começando pelos detalhes dos acessórios, depois usa o acessório todo e, quando menos esperar, vai estar bem feliz com o look metálico.

Ah, vale lembrar que nessa temporada os efeitos metalizados mais em alta são o ouro e a prata envelhecidos. Tem medo de investir e usar pouco? Sem stress, no verão e no próximo inverno o metal continuará com tudo.

E aí, tá esperando o que pra catar um acessório metalizado e usar no dia a dia?

Beijos e abraços,

Douglas

Regras para sobreviver ao avanço do varejo

Ou você evolui, ou ficará no mesmo lugar, com um público cada vez menor e prejuízos cada vez maiores. Essa é uma das primeiras frases que eu costumo falar nas reuniões de consultoria que dou aos meus clientes de varejo. Hoje em dia, com a popularização do mercado da moda e a abertura exacerbada de lojas, falhar é cada vez mais fácil e perigoso.

Convivo nesse meio há quatro anos e já aprendi o suficiente para dizer: esse é um mercado que necessita de inovação. Essa deve ser, a todo o momento, a palavra chave para um negócio. Isso não quer dizer que o proprietário da loja do interior deva comprar aquela roupa que ninguém usará. Mas ele tem a obrigação de sempre se adaptar às novas necessidades dos clientes.

Costumo comparar com o cinema. Se o cinema da sua cidade tem um filme bom de drama, que lota em todas as sessões e ele começar a exibir sempre o mesmo filme, em pouco tempo ele estará às moscas, não é mesmo? Pois com uma loja é igual. Se um cliente entrar e ver sempre o mesmo tipo de roupa, sem nenhuma novidade, logo ele não entrará mais, pois sabe exatamente o que aquela loja tem a oferecer.

Para formar uma boa loja de varejo, é preciso que sejam seguidas algumas regras. a primeira é ter um foco de consumidor e conhecer ele a fundo. Não há como uma loja só agradar da novinha à vovó. Dessa maneira, tudo tende a virar uma bagunça generalizada. E não é incomum isso ocorrer. Muitos varejistas acham que ainda trabalham na época em que um estabelecimento deveria vender de tudo e enfiam todos os tipos de roupas possíveis e imagináveis dentro dele.

Depois disso, entra a inovação. Se o vizinho faz uma coisa bem, faça melhor. Não repita uma receita só porque fulano de tal conseguiu se dar bem dessa maneira. Crie a sua. Dê sua cara a uma ideia que já pode ser batida. Nunca se esqueça que a sua loja deve ter a sua identidade sem cair na mesmice do ‘todo mundo faz assim’.

E não esqueça: uma loja deve manter uma conexão entre sua identidade de estilo, visual e varejo alinhadas. Nada pior do que uma campanha publicitária linda, um estabelecimento bacana e roupas antiquadas. Tudo deve conversar entre si. É como se vestir. Combine tudo! Ao ver seu anúncio, ou o layout do seu prédio ou vitrine, o cliente vai imaginar o estilo das roupas. E nada pior do que ele entrar e ver justamente o oposto. Tenha bom senso!

Abaixo, uma lista de dicas que sempre dou aos clientes e que pode ser útil a quem quer se aventurar nesse ramo do varejo.

Desculpem a ausência do blog, mas a vida anda muito corrida. Com o tempo eu retorno!

Beijos, beijos

Gabi

Toque aveludado

Se tem uma tendência que parece vir com força nesse inverno é do uso do veludo. Ele, que é elegante para a noite e confortável para o dia, está na lista de must haves de várias fashionistas.

Basta ver os desfiles nacionais e internacionais. Por exemplo, a Animale apresentou looks inteiros de veludo. Alguns, compostos, lembravam pijamas, e outros eram dignos de vestidos de noite. Na Huis Clos eles ganharam status de elegância e apareceram de uma maneira que podem ser levados até para um baile de gala.

Mas antes de se jogar na moda, ppense: você pode usar veludo? Pra saber basta ver como anda sua forma física. Nos cursos de consultoria de moda, sempre aprendemos que tecidos que tenham efeitos de brilho são meio proíbidos para quem está gordinha. Isso vale para o furtacor, o veludo, o lamê…

E quem quer usar e está com uns quilinhos a mais, faz o que? Se joga em pecinhas mais largas, que não marquem tanto e não chamem tanta atenção. Por exemplo, ao invés de usar um vestido todo de veludo, aposte em um detalhe na região do busto 9caso não seja peituda), ou na calça (caso as pernas não sejam muito grossas).

É aquela velha história de que não existem regras, mas sim, bom senso. E pra isso, só treinando o olhar para o bom gosto, se olhando no espelho e ver se tudo se encaixa á imagem que queremos passar ao mundo.

Outra opção que nós amamos é se jogar no acessório. Seja sapato, bracelete, colar, bolsa… É uma alternativa maravilhosa para aquelas que não podem ou não se sentem bem usando o veludo na roupa.

Agora, antes de mais nada, o negócio é esperar o frio vir para ficar pra poder tirar suas peças fofas de veludo do armário, né?

Que ele venha logo!

Beijos e abraços,

Douglas e Gabriela