Pense Moda dia 1 – Parte dois

Após a palestra de Cécile Coulot foi realizado um debate sobre a criação de imagens de moda com profissionais de diferentes setores do meio: o editor de moda da ffwMAG!, Paulo Martinez; a diretora de arte Graziela Peres, também da ffwMAG!; a stylist Flávia Pommianosky; o responsável pela Surface to Air no Brasil, o francês Sebastian Orth e os fotógrafos Bob Wolfenson e Tavinho Costa. O mediador foi o editor do site Chic, André do Val, que iniciou a discussão questionando o processo de criação das imagens consideradas “de moda”.

Para Paulo Martinez e Graziela Peres, é importante que haja pesquisa e ação. A preguiça deve ser deixada de lado para que haja uma boa produção. O conhecimento pode vir do cinema, música, artes plásticas ou, até mesmo, da própria moda.

O tema gerou polêmica. Sebastian Orth posicionou-se contra a pesquisa. “Isso não é garantia de maior qualidade editorial.” O representante da Surface to Air defendeu a criação do novo e afirmou que a pesquisa era uma das causas da mesmice e do grande número de cópias presentes na moda nacional.

Martinez o questionou sobre o que é o novo hoje e, com o apoio de Graziela, reforçou que a pesquisa não é apenas conhecer o que já foi feito, mas descobrir um universo que vai além do óbvio.

Para o Bob Wofeson, renomado por trabalhos com grandes publicações e marcas da moda nacional, a fotografia de moda deve ser tratada como qualquer outro tipo de fotografia. “Ela precisa tocar e provocar o espectador.”

Flávia Pommianosky disse que o profissional deve ser maleável para lidar com os diferentes tipos de clientes e encontrar o equilíbrio entre o conceitual e o comercial.

As novas possibilidades da tecnologia para a imagem de moda foram abordadas por André do Val, que questionou Wolfeson se ele usava photoshop em suas imagens. Graziela pegou o gancho dado pela pergunta e falou sobre o conteúdo em vídeo produzido pela MAG! para Ipads.

O formato, ainda recente no Brasil, foi defendido por alguns e atacado por outros. Wolfeson argumentou que não acredita que a ferramenta tenha a mesma força que a fotografia por não capturar o momento e tem a necessidade de linearidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s